REFLEXÕES SOBRE O NORMAL E O PATOLÓGICO

Blog de organizandoideias :Organizando ideias, REFLEXÕES SOBRE O NORMAL E O PATOLÓGICO

          O conceito de normalidade não pode ser tomado como uma entidade autônoma e definível em si mesmo, assim como o conceito de patológico só se estrutura a partir do momento que se intenciona estabelecer um padrão de normalidade.

          A Psicopatologia tenta estabelecer critérios científicos que possam delimitar a fronteira do normal e patológico. A loucura, fenômeno até então explicado pelo campo da religião e filosofia, passa a ser apropriada pelo campo da Medicina que lhe confere novo status e denominação: doença mental.

          Para Foucault (1994) “a doença só tem realidade e valor de doença no interior de uma cultura que a reconhece como tal”. Isso significa dizer que cada povo ou cultura cria e elabora os seus próprios critérios do que vem a ser considerado patológico ou não. O que numa cultura pode ser justificado e até compartilhado coletivamente, em outra pode causar estranhamento suficiente para justificar um diagnóstico psicopatológico.

          A doença não existe enquanto instância autônoma, mas é sempre circunscrita por uma construção coletiva do que se denomina e entende por patológico.Por outro lado, tomar a noção de doença mental como algo relativo à cultura e a um significado construído socialmente, também pode conduzir para um relativismo perigoso. Dessa perspectiva relativista, pode-se dizer que cada sociedade cria a doença com um perfil que se desenha através de um agrupamento das possibilidades humanas. Nesse sentido, a noção de doença é variável conforme variam os critérios de determinada sociedade, mas “é o afastamento do padrão cultural, a essência das diversas manifestações mórbidas. E aí está o paradoxo dessa perspectiva”. (FrayzePereira, 2001).

          Tomando esse conteúdo para análise, isso representaria dizer que qualquer que seja o conteúdo cultural da loucura, o dito “louco” seria aquele que demonstra “inadaptação” ou “desvio”, dentro de determinado grupo.Em outras palavras, a loucura só poderá ser reconhecida se, dentro daquela cultura exista um modelo de doença que justifique e circunscreva o comportamento “desviante”. As diversas classificações atualmente difundidas pela Psicopatologia reforçam a tese de que, mesmo na loucura, existem os modelos sociais do que se entende por doença. Portanto, há modos convenientes de ser “anormal”. 

cultura, loucura, normal, patológico, psicopatologia

quinta 15 abril 2010 16:38




1 Fan

Nenhum comentário REFLEXÕES SOBRE O NORMAL E O PATOLÓGICO



Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (174.129.80.166) para se identificar     


Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para organizandoideias

Precisa estar conectado para adicionar organizandoideias para os seus amigos

 
Criar um blog